Recados

Temos pena, Policarpo, temos pena

“Está a fazer-me muita confusão ver neste anúncio das medidas difíceis que até nos foram impostas por quem nos emprestou dinheiro que os grupos estejam a fazer reivindicações grupais, de classe. Não gosto” , desabafou o prelado, perante 800 pessoas. O Cardeal–patriarca não concretizou as críticas, mas ter-se-á referido a sindicatos e outras organizações que respondem com ameaças de greve contra as medidas de austeridade impostas pela troika e concretizadas pelo Governo. Para D. José Policarpo, Portugal tem de ultrapassar este momento “em diálogo com os outros países, mas, sobretudo, dando as mãos procurando o bem de Portugal e não o bem de cada grupo, de cada pessoa”. “Todos somos chamados a vencer o egoísmo, a pensar no nós e não no eu”, reforçou o prelado.

CM, 21 de Agosto

Tenho realmente pena, Policarpo, que tenhas elevado a voz contra os fracos e oprimidos, que continues silencioso face aos poderosos e opressores.

A tua responsabilidade e poder na nossa sociedade, esperava eu, seria forma, teria forma de denúncia dos mecanismos de opressão por detrás dos “empréstimos de dinheiro”, dos grupos que enriquecem com a miséria alheia, das medidas que descarregam nos trabalhadores, nos jovens nos idosos a raiva incontida do lucro cego e opressor.

Falas do “bem de Portugal” preparando as tuas hostes para a “guerra santa” contra a inevitável revolta social, – e aqui acertas, Policarpo – e de classe.

E como desde Constantino a tua organização age, optas por estar do lado errado da vida.

Será que iremos assistir ao ressurgimento da “acção católica” dos anos 30?

Parece que o “puxão de orelhas” que te deram no Vaticano por defenderes o sacerdócio de mulheres  já está a surtir efeito.

Não gostas das reivindicações dos trabalhadores? Temos pena…

Anúncios
Standard
Coisas da Vida

Voz do povo, voz de ‘deus’?

Acabou de ser eleito pelo Conclave cardinalício como novo Papa, o chefe do Santo Oficio, Joseph Ratzinger.

Dizem eles que é o “Espírito Santo” que os guia a votar o “sucessor” de Pedro.

Se a “Voz do Povo é a voz de deus“, como dizem as gentes no seu saber, a coisa não começa bem para o homem da Inquisição: numa sondagem que a Newsweek está a fazer 40% acham que a escolha foi errada e 35% ainda dizem que é cedo para saber.

Dizem que “deus escreve direito por linhas tortas“, mas tanta hesitação não me parece divina…

Estranho, estranho é o quasi silêncio sobre o antecessor do antecessor, o João Paulo I que morreu “subitamente” depois de rebentar o escândalo do Banco Ambrosiano, ter de deter mo Vaticano o Monsenhor Markinus – um amigo próximo de Ratzinger – para não ser preso por fraude na Itália, e de ter aparecido enforcado o banqueiro Calvo, envolvido com a loja mafio-maçónica P2.

Enfim, eles lá vão cantando e rindo…

Standard
Coisas da Vida

Opções que marcam

O senhor de branco é o “Santo Padre” João Paulo II

Aqui, ao lado dele
o assassínio de Salvador Allende

e de tantos milhares.


Ali, pouco depois, repreendeu o Padre Ernesto Cardenal, Ministro da Cultura do Governo Sandinista da Nicarágua e outros padres e religiosos que optaram por servir os explorados e oprimidos.

Um “santo” homem, na verdade. Para quem?

Standard
Pedaços do Mundo, Recados

Libertação incómoda

Miseravelmente as tropas invasoras no Iraque atacaram uma refém libertada.
A culpa vai ser do Joe D. ou da Anne M., recrutados para mercenários como forma de fugir à pobreza, exclusão, preconceitos raciais, desemprego.

Agora que a a italiana vai ser difícil de calar, vai.

Ela já estava no Iraque contado o que o império não quer que se conte.

Que a resistência não são só fanáticos fundamentalistas.
Que a resistência vai muito além da Al-Quade, criada pela CIA.

Foi feita refém, assustou-se, chorou.

Acabou por ser libertada e avisada pelos raptores: os americanos não lhe vão perdoar.
Tentaram castigá-la.

Falharam.

Continuam a massacrar um povo e mostram as garras a outros povos.
Faz agora, por estes dias, o começo da ocupação.

Sócrates não necessita de mandar retirar a GNR.
Mas não pode continuar a colaborar com os massacres.
As bases das Lages e outras devem ser interditas às forças invasora.

Hoje! Já!

Ouviu Senhor Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros?

Standard