A minha vista espraia-se pela Alameda, o sol decaíndo para os lados do Técnico, num desmaiar suave das cores da cidade.

Ladra, algures, um cão.

Estou sentado numa das mesas que se tornaram a sala de estar de reformados e desvalidos que pastam a solidão pelas ruas.

Fim de diaNoutra mesa, atrás de mim, 3 pessoas conversam. à minha frente, sentado num murete, um dos muitos imigrantes olha em seu redor, sem outro fim que simplesmente olhar.

“Ió, bóra ver aqui…” exclama um a voz jovem atrás de mim. “Xêee, que ganda parque…”. A sua voz distancia-se, ficando eu sem saber quem ele era ou quantos e quem eram os seus companheiros.

Um burburinho cresceu e morreu na mesa da sueca onde 4 velhotes se batiam contra o tédio e mais uns quantos, de pé, praticavam a crítica de jogadas, tornando-os comentadores de bancadas.

Lá ao alto voa de Lisboa um avião. Aponta ao sul. Brasil?

Diz que escrever é tarapeûtic. Que sei eu?

A minha vista continuou espraia-se pela Alameda, o sol mais decaído para os lados do Técnico, num desmaiar suave das cores da cidade…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s