Resposta ao desafio lançado pela Casa da Achada – Centro Mário Dionísio no seu 5º Aniversário

I

Quando
em momentos de desânimo,
sonho acordado
com o mundo
vem-me à memória
a saudade do futuro dos nossos pais

Um mundo de simplicidade:
a paz,
a carne no talho,
o pão para toda a gente
uma casa para morar,
uma vida sem doença,
um labor útil a todos
a liberdade de aprender
o fruir livre da arte e da sua criação

Um mundo onde a ciência e a técnica
estão em todo e cada um dos humanos

Um mundo em que,
como vivemos,
o que fazemos
se articula
em harmonia
com o Ambiente

Um mundo de
Oito horas de trabalho,
Oito horas de descanso…
Oito horas de lazer.
– talvez menos horas de trabalho!

Porque não?
Se hoje sabemos tanto mais, se hoje podemos tanto mais

Simples, não é?

II

Reinvento pois,
acordado,
o sonho dos meus avós
para que os vindouros
possam viver
um mundo pleno de liberdade

Dizem-me:
que ultrapassadas estão as tuas ideias

Mas sonho acordado
com as ideias a desgarrarem-se do seu invólucro
e tomarem forma
na acção dos meus iguais

Quando
acordado
sonho o mundo
projecto nos outros
uma Terra da Fraternidade

Sonho acordado
um mundo em
que os saberes se partilham
e a invenção da arte
rasgou os diques dos saberes reservados
e invade,
livremente,
as esferas libertadas da acção humana

Tenho,
Imperiosamente,
de sonhar acordado
outro mundo
porque

Há tanta gente voltada para trás
Gente que vive do menos mal, e do tanto faz
Mas o amor de que estou a falar
Anda remando contra a maré… a desinquietar….

à memória do Maçariku
Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s