Deste lado do Muro,
sob o troar do canhões,
sob a chuva da metralha,
soterraram meninos que não serão homens;
esperanças frágeis de um devir melhor.

Agora
por conveniência estratégica,
retiram as botas cardadas,
deixando um rasto
de ignomínia.

Do outro lado da fronteira, do outro lado do Muro,
ecoam as lamentações ancestrais
dos sobreviventes.

Talvez que
a Primavera regresse,
os pomares reverdejam
outros meninos soriam
e possam,
tranquilamente,
usar as pedras dos muros,
os destroços da guerra
para construir
escolas, fábricas, casas, jardins
e reaprendam a dar as mãos,
confiantemente,
aos meninos do outro lado do Muro.

Anúncios

One thought on “Do outro lado do Muro

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s