Às vezes apetece deixar tudo, completamente tudo, definitivamente tudo.

Às vezes o cansaço parece mais velho que o tempo, fluindo do momento primordial de onde vimos.

Às vezes uma aflitiva tristeza corrói-nos as cordas da vida e um incomensurável desespero dedilha músicas mórbidas de um silêncio infinito.

E quando estamos prestes a partir, quando estamos à beira de cair, quando uma linha nos separa do estilhaçar definitivo uma voz, um sorriso, uma memória, uma aragem, um odor, uma gota ou uma flor volta a tecer vontades, força e alegria.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s